Exames

Vídeo Endoscopia Digestiva Alta

O que é:

É um exame indicado para avaliação diagnóstica e, quando possível, tratamento das doenças da parte superior do tubo digestivo, incluindo o esôfago, estômago e a porção inicial do duodeno (parte inicial do intestino delgado ou fino). É realizado introduzindo-se pela boca um aparelho flexível com câmera e iluminação central, que permitem a visualização de todo o trajeto examinado. O exame pode ser realizado com anestesia tópica (spray anestésico na garganta), sedação ou anestesia.

É indispensável jejum mínimo de 8 horas (inclusive de água), ir fazer o exame acompanhado (devido ao sedativo/anestesia que causam sonolência) e levar a documentação (cédula de identidade, cartão e/ou autorização do convênio e pedido do médico). É importante que você informe ao médico se na realização de outro exame de endoscopia você já teve qualquer tipo de alergia ou reação à medicação.

Dependendo da sedação utilizada, o paciente não sentirá nada durante o exame ou apenas um leve desconforto na garganta durante a passagem do aparelho. O medicamento pode causar sensação de ardência no local da infusão e no trajeto da veia puncionada. Se o médico julgar necessário, pequenas amostras de tecido (biópsias) podem ser colhidas durante o exame para análise microscópica detalhada, sendo indolor ao paciente. Na presença de lesões elevadas (pólipos), o médico poderá realizar, dependendo do caso, retirada da lesão (polipectomia) durante o exame. Caso não haja intercorrências, a duração média do procedimento é de 10 minutos.

A endoscopia digestiva alta é um exame seguro. No entanto, como todo procedimento médico, ela não é isenta de riscos. A complicação mais freqüente é flebite (dor e inchaço no trajeto da veia puncionada) que pode acontecer em até 5% dos casos, dependendo da medicação utilizada para sedação. Complicações mais sérias são muito raras ocorrendo em menos de 0,2% dos casos, podendo estar relacionadas ao emprego de medicamentos sedativos ou ao próprio procedimento endoscópico. Caso tenha alguma doença cardíaca ou pulmonar, indica-se que avise o médico antes da realização do exame.

O paciente irá permanecer na sala de repouso de 10 a 30 minutos, até que os efeitos principais das medicações empregadas para a sedação desapareçam. A garganta pode ficar adormecida ou levemente irritada e o paciente pode sentir um discreto desconforto no estômago. Espirros ou sensação de congestão nasal podem ocorrer no caso de recebimento de oxigênio suplementar durante o exame. 

Quando realizado com sedativo, um acompanhante deve estar obrigatoriamente disponível para a volta para casa. Devido aos efeitos da medicação, não se deve dirigir carros, operar máquinas, ou beber álcool até o dia seguinte ao exame, quando o paciente será capaz de retornar às suas atividades rotineiras. Após o exame, está permitido o uso de medicações rotineiras e fazer uma dieta normal, a menos que tenha sido instruído do contrário pelo médico. 

 

O médico que solicitou o exame é o profissional mais habilitado para orientações com relação ao diagnóstico encontrado. 

Se forem obtidas biópsias, a análise poderá ser realizada pelo laboratório de anatomia patológica, sendo o resultado emitido pelo mesmo, geralmente em sete dias úteis.

Vídeo Colonoscopia Total

O que é:

A colonoscopia é o exame endoscópico do cólon (intestino grosso) e muitas vezes também do íleo terminal (porção final do intestino delgado). Além da inspeção da superfície intestinal, a colonoscopia permite também a realização de biópsias (recolhimento de pequenas amostras do tecido) que podem ser úteis no estabelecimento do diagnóstico. Procedimentos terapêuticos também podem ser realizados durante a colonoscopia e entre eles, o mais frequente é a polipectomia, que é a remoção de pólipos (lesões elevadas).

Para a realização da colonoscopia é necessário fazer um preparo intestinal para que os resíduos sejam removidos do interior do cólon e assim o exame possa ser feito com o máximo de segurança e eficácia. Para o preparo intestinal é recomendado dietas especiais e laxativos.

Para maiores detalhes do preparo, favor entrar em contato com a clínica.

Após o preparo do cólon, o paciente é levado à sala de exame onde será anestesiado por um médico anestesista. O aparelho é então, introduzido pelo reto até o ceco (porção inicial do cólon) ou até o íleo terminal. 

Durante a retirada do aparelho é feita uma minuciosa inspeção identificando as eventuais alterações do cólon. Os pólipos diagnosticados podem, sempre que o médico achar conveniente, ser removidos durante a colonoscopia.

Assim como na Endoscopia Digestiva Alta, as complicações do exame de colonoscopia são raras, mas como nenhum procedimento médico é isento de riscos, podem decorrer problemas durante o preparo do cólon, anestesia, no exame propriamente dito ou em procedimentos complementares realizados. 

O preparo pode gerar náuseas, vômitos e distensão abdominal. Como o preparo induz a uma diarréia, pode ocorrer desidratação. As complicações relativas à anestesia variam de uma flebite superficial (dor e inchaço no trajeto da veia puncionada) até situações de maior gravidade como depressão respiratória, mas que com o acompanhamento do médico anestesista e equipamentos corretos, são controlados. Já a remoção de pólipos pode acarretar em duas complicações: perfuração e hemorragia. Tais eventos relacionam-se principalmente ao tamanho dos pólipos ressecados, porém ocorrem em apenas 0,03% a 1% dos pacientes.

O paciente poderá ingerir alimentos líquidos ou sólidos leves, conforme aceitação. É importante beber grande quantidade de líquidos. É comum sentir sonolência, cólicas abdominais (relacionadas à insuflação de ar no intestino durante o exame), náuseas e vômitos devido à medicação sedativa. 

É importante avisar ao médico se ocorrerem dores abdominais fortes, sangramento intestinal em maior quantidade, febre ou vômitos nas horas ou dias que se seguem à colonoscopia.

Retossigmoidoscopia

O que é:

A retossigmoidoscopia flexível permite ao médico visualizar o interior do intestino (reto e sigmóide). Um aparelho é introduzido via anal por cerca de 60cm. O exame é capaz de diagnosticar desde pequenas patologias como hemorróidas e fissuras, até doenças mais importantes como doenças inflamatórias crônicas, pólipos e neoplasias. Se necessário, pequenas amostras de tecido (biópsias) podem ser coletadas durante exame para análise microscópica detalhada (indolor). Pólipos (crescimento anormal de tecidos) podem também ser removidos, e áreas de sangramento podem ser tratadas. O exame é realizado sempre por um médico e o tempo de duração do exame é de 10 minutos, em média.

O exame é realizado após a limpeza do reto estimulada com enema (solução glicerinada), que é injetado pelo ânus 2 horas antes do exame e faz com que as fezes amoleçam e sejam eliminadas. 

Para maiores informações sobre o preparo, favor entrar em contato com a clínica.

A retossigmoidoscopia flexível pode resultar em complicações como eventuais reações à medicação, perfuração do intestino e sangramento, porém essas complicações são muito raras (menos de 0,01%). 

É importante que o médico seja comunicado caso ocorram dores, fezes pretas ou vômitos nas 72 horas seguintes ao exame.